Assuntos de Goiás TV

domingo, 14 de julho de 2013

Vinicius e a sua história do jazz e seus intérpretes via @Reinaldo_Cruz #QuestãoBrasil

Poeta Vinícius de Moraes no ano de seu centenário recebe homenagens
Agora sim, já informado sobre o horizonte jazzístico do poetinha, entregue-se a este texto sedutoramente preconceituoso (Vinicius é ótimo até quando a gente discorda dele). Conviveu, entre 1946 e 1950, quando morou em Los Angeles, com os maiores jazzmen, e depois conheceu o "jazz hot" em Paris entre 1953 e 1956.

A primeira parte, histórica, é consistente. Recua ao primeiro navio de escravos desembarcados no sul dos EUA, no século 17; passa pelo spiritual, explica como e por que o blues é a matriz nuclear do gênero (Bessie Smith é, para ele, a máxima cantora do gênero). Descreve, na New Orleans da virada dos séculos 19/20, as gradações de cor, do preto até o branco, passando pelo "creole", e as prostitutas ‘descoloridas’ dos bordeis da cidade-berço do jazz onde nasceram os criadores do gênero como Buddy Bolden, Jelly Roll Morton e Louis Armstrong.

Responde à pergunta irrespondível - "o que é jazz" - de modo criativo: "Jazz é tudo que não é Bing Crosby, Sinatra, Doris Day (...) Jazz é qualquer nota que saia do trompete de Armstrong ou de suas cordas vocais. Jazz não é nunca Gershwin, Cole Porter, Hammerstein I ou II. Jazz, minha amiga, é justamente esse galo que você ouviu cantar e não sabe onde". Por falar em Gershwin, o autor da Rhapsody in Blue é seu saco de pancadas preferencial. Chamado de "reverendíssima besta" e "o melhor dos três piores músicos do mundo".
Leia mais: Vinicius e a sua história do jazz e seus intérpretes - cultura - musica - Estadão

Seguidores

Colaboradores